sexta-feira, 1 de outubro de 2010

S.E



Sob os pés calejados de um velho senhor, sentado numa calçada suja empoeirada, visualizo uma flor que se rompe abrupta e formosa.
Toda ela mesma molhada de pura sensualidade; de face ardente e libidinosa.
Toda ela mesma encharcada de convite à realidade.
Toda ela mesma mediadora do concreto e do abstrato.
Vai assim nascendo e se espalhando sem pedir licença.
Ah Natureza indomável! Subversiva fulô que já não mais irradia os jardins alheios.
Quem dera tivéssemos força pra lhe seguir a ação.
Saulo oliveira


2 comentários:

  1. Belissimas palavras Saulo.
    Personificar a natureza com tamanha sensualidade a faz mais digna de ser o que é

    ResponderExcluir